2 de maio de 2012

Dia 15 - O que faço e quem sou eu

2 de maio de 2012

Eu perdoo-me por me ter aceite e permitido ter-me definido de acordo com aquilo que eu faço em vez de realizar que é Quem Eu Sou que me define.

Eu perdoo-me por não me ter aceite e permitido realizar que é Quem Eu Sou que define e determina aquilo que eu faço.

Eu perdoo-me por me ter aceite e permitido ter-me definido de acordo com aquilo que eu faço e desejar que as pessoas me vejam de acordo com aquilo que eu faço em vez de realizar que estou à procura de atenção por parte das outras pessoas porque eu não decidi quem eu sou como vida.

Eu perdoo-me por me ter aceite e permitido fazer certas coisas de certa forma para controlar as outras pessoas para que pensarem que "Eu sou assim/isto/aquilo" de acordo como eu quero que elas me vejam.

Eu perdoo-me por não me ter aceite e permitido realizar que aquilo que eu faço foi-me ensinado/programado quando eu era criança de forma a que eu tivesse as capacidades de sobrevivência necessárias para sobreviver neste mundo.

Eu perdoo-me por não me ter aceite e permitido realizar que neste mundo de competição, ganância e decepção eu tive de aprendar a fazer exactamente o mesmo de forma a me "dar bem" no sistema - mas no entanto isto não é quem eu realmente sou como vida - e como tal eu tomo a decisão absoluta de me dedicar a investigar/ver/realizar quem eu sou como vida, transcendendo toda a competição, inveja, ganância, decepção, controlo e manipulação que em mim existe ao tornar-me o que é melhor para todos.

Eu perdoo-me por não me ter aceite e permitido realizar que eu fui também ensinado/programado a ter integridade num mundo de abuso, e como tal foco-me nesse ponto e expando-o em todas as direcções, estabelecendo-me como responsável, disciplinado, determinado, assertivo, dedicado e deligente em tornar este mundo e eu mesmo naquilo que é melhor para todos.

Eu perdoo-me por me ter aceite e permitido ter-me deixado levar pelo meu programa de decepção em vez de realizar que existe "um outro lado" em mim que respeita a vida - e como tal é "por esse lado" de integridade que eu tomo a decisão de quem eu sou como vida e dedico-me a estabelecer neste mundo e em mim aquilo que é melhor para todos.

Eu perdoo-me por me ter aceite e permitido querer que as pessoas pensem que eu sou "boa pessoa" ao controlar o que faço e o que digo, como me mexo e como me expresso de acordo com o meu programa para controlar a forma como as pessoas me vêem em vez de realizar que eu estou-me a definir de acordo com aquilo que eu faço em vez de me expressar como quem eu sou como vida - e quem eu sou como vida não controla/manipula a expressão de forma a obter um determinado resultado - simplesmente expresso-me em honestidade própria, com integridade e respeito por toda a vida, independentemente de "magoar" ou não os egos das outras pessoas, pois se o fizer estou de facto a diminuir-me ao nível dos egos dos outros.

Eu perdoo-me por me ter aceite e permitido sentir-me mal comigo mesmo quando faço algo que eu defino como errado e por consequência defino-me como um falhado em vez de realizar que é Quem Eu Sou que define Quem Eu Sou.

Eu perdoo-me por me ter aceite e permitido julgar-me como um falhado quando eu faço algo que defini como errado - como algo que eu não deva fazer - pois eu acredito que passa a ideia para as outras pessoas que eu sou fraco em vez de realizar que desta forma eu só me estou a abusar e a diminuir - em vez de realizar que é quem sou eu naquilo que eu faço que define quem eu sou.

Eu perdoo-me por me ter aceite permitido fazer certas coisas que são "correctas" e "difíceis" de forma a me definir como alguém "de respeito", "talentoso" e "capaz" em vez de realizar que me estou a abusar e tentar manipular a ideia que as outras pessoas têm de mim.

Eu perdoo-me por me ter aceite e permitido querer se mais que as outras pessoas ao me permitir deixar levar pelo meu programa de superioridade em vez de realizar que quem eu sou como vida não é superior nem inferior.

Eu perdoo-me por me ter aceite e permitido querer com que as pessoas me vejam como um ser superior ao fazer certas coisas de certa forma em vez de realizar que eu estou na verdade a ser controlado pelo meu programa que "diz" eu eu tenho de manipular as outras pessoas a pensarem bem sobre mim, pensarem que eu sou alguém de respeito - em vez de realizar que eu estou-me a definir de acordo com aquilo que eu faço em vez realizar que eu sou definido por quem decido ser como vida.

Quando e assim que me vejo a fazer certas coisas com a intenção que as outras pessoas pensem uma determinada coisa sobre mim: Eu páro e respiro. Nesse momento realizo que os pensamentos das outras pessoas são de facto irrelevantes. O que é relevante é Quem Eu Sou como vida! - e é isto que eu passo a viver de acordo com a todo o momento.

Quando e assim que me vejo a fazer certas coisas de forma a que as outras pessoas me vejam como superior: Eu páro e respiro. Nesse momento realizo que quem eu sou como vida não requer a aprovação de ninguém, assim como uma árvore não tenta ser mais do que uma arvoe - e como tal eu expresso-me em honestidade própria como quem eu sou como vida e não em honestidade para com o meu programa de abuso, competição, ganância e superioridade.

Quando e assim que me vejo a tentar ser maus do que eu sou como vida: Eu páro e repiro. Nesse momento realizo que se eu não me expressar como vida - sem segundas intenções - nada do que eu faça irá ser real, irá ser verdadeiro, e como tal eu expresso-me em honestidade própria.

Eu dedico-me a me decidir quem eu sou como vida e a expressar tal, sem me permitir julgar de acordo com o que eu faço.

Eu dedico-me a ser honesto comigo mesmo - e como conseguência serei honesto comigo mesmo em tudo o que eu faço.

Eu dedico-me a investigar todas as facetas de quem eu sou como vida ao me expressar em honestidade prórpia, mesmo que vá contra a ideia que eu tenho de mim mesmo de como eu me devo comportar expressar de forma a manipular as pessoas a pensarem aquilo que eu quero.


Eu dedico-me a desenvolver a minha auto confiança ao expressar exclusivamente quem eu sou como vida.

Eu dedico-me a parar todo o tipo de manipulação que me foi ensinada/programada quando eu era criança  para que eu sobreviva neste mundo de abosu.

Eu dedico-me a tornar-me igual como tudo e todos como quem eu realmente sou como vida, não me permitindo ser levado pelo meu programa que diz que eu sou definido por aquilo que eu faço.

Eu dedico-me a desenvolver a auto confiança ao por em prática a decisão de quem eu sou como vida

0 comentários:

Enviar um comentário

 
◄ Free Blogger Templates by The Blog Templates | Design by Pocket