25 de maio de 2012

Dia 27 - Decisão: deixando de ser cEGO

25 de maio de 2012

Eu perdoo-me por me ter aceite e permitido realizar que falta de direcção é na verdade a falta de uma decisão sobre quem eu sou tomada em absoluto – pois enquanto tal não for decidido não terei a força da decisão para me dar direcção.

Eu perdoo-me por não me ter aceite e permitido realizar que eu estou num ciclo vicioso cujo é parado e transcendido a cada momento da respiração à medida que eu vivo a decisão desde o momento que acordo até ao momento em que vou dormir.

Eu perdoo-me por não me ter aceite e permitido realizar que – aparentemente – eu estou aqui nesta vida para aprendar que eu não sou definido por aquilo que eu faço – pois isso tem sido exactamente aquilo que eu tenho feito. Quem eu sou é uma decisão – E eu aqui decido em ser aquilo que é melhor para todos, a cada momento da respiração, tornando-me a expressão viva de unidade e igualdade, como vida, em honestidade própria.

Eu perdoo-me por não me ter aceite e permitido realizar que “tornar-me vida” é uma decisão – pois até agora tenho sido simplesmente um programa de abuso/ego/mente.

Eu perdoo-me pro não me ter aceite e permitido realizar que ao viver a decisão de ser vida – expressar aquilo que é melhor para todos – eu terei de deixar de fazer tudo aquilo que não é relevante para a vida. Tudo o que tem até agora sido relevante para o “Joao” acaba aqui pois o “Joao” é um cEGO que não vê nada para além dos seus pensamentos de interesse próprio, e como tal irrelevante para a vida/existência.

Eu perdoo-me por todo este tempo não ter visto aquilo que tem estado sempre a minha frente: O facto que eu não sou aquilo que faço embora eu tenha feito de tudo para me definir como alguém de valor, alguém de bem, alguém talentoso, alguém grandioso – querendo a aprovação e a aceitação das pessoas --- quando na verdade tudo isto revela como eu me cEGO pelo meu próprio EGO que quer sempre ser e fazer mais --- quando na verdade, quem eu sou em honestidade própria, não requer aprovação nem aceitação: Quem eu sou não é nem mais nem menos que este respirar, que este corpo – pois sem este não farei nada, sem este não pensarei em nada, sem este não sou.

Eu dedico-me a acordar e a viver a decisão.

Eu dedico-me a parar toda a depressão que em mim existe ao aliviar-me da pressão que é “aquilo que eu tenho de fazer para me definir como alguém de valor” ao respirar e vivendo a decisão de ser aquilo que é melhor para todos a cada momento.

Eu dedico-me a puxar por mim para viver a decisão, independentemente daqui que tiver de abdicar de fazer.

Eu dedico-me a viver cada dia a decisão, expressando o que é melhor para todos, expandindo a minha ciendade, lidando com tudo e com todos em unidade e igualdade, em honestidade própria.

0 comentários:

Enviar um comentário

 
◄ Free Blogger Templates by The Blog Templates | Design by Pocket