27 de agosto de 2012

Dia 75 - MLV - Estados de ser: Real Vs Ilusório

27 de agosto de 2012

 MLV - Mente Livre de Vírus

Eu perdoo-me por não me ter aceite e permitido realizar que existem quatro estados de ser: o passado da mente, o presente da mente, o futuro da mente e o Aqui como Vida.

Eu perdoo-me por não me ter aceite e permitido realizar que os estados de ser da mente não são reais pois só podem existir caso hajam memórias: ou seja, são as memórias do passado que definem quem eu sou agora neste momento como a mente e que por sua vez, baseado nesta ideia que agora eu tenho de mim mesmo, cria um certo e determinidado futuro.

Eu perdoo-me por não me ter aceite e permitido realizar que a Vida não é temporalmente definida - só a mente é!

Eu perdoo-me por não me ter aceite e permitido realizar que a Vida Eterna implica que, por definição, não é definida pelo tempo.

Eu perdoo-me por não me ter aceite e permitido realizar que eu só me tornarei real - o meu estado de ser só será real - no momento em que eu VIVA Aqui como quem realmente sou como vida, não definido pelo passado, presente e futuro da mente pois estes implicam a existência de memórias para formar uma auto-definição.

Eu perdoo-me por não me ter aceite e permitido realizar que apesar de um recém nascido não têm memórias do passado e como tal não tem uma ideia sobre sí mesmo baseada em tais memórias e obviamente não tem ideias formadas para o seu futuro que seriam baseadas na idea de si mesmo no presente que estariam dependentes das memórias do passado - apesar disto tudo pode-se dizer que ele/ela está AQUI, a viver, a respirar, no físico - é/está na sua totalidade Aqui no momento, um e igual.

Eu perdoo-me por não me ter aceite e permitido realizar que enquanto eu me permitir que as memórias do passado me definam e, por consequência, prevejo/planeio/estabeleço um determinado futuro baseado nesta ideia de mim mesmo - desta forma eu NUNCA irei ser Livre pois tudo o que eu faça e decida não é determinado por quem eu realmente sou como Vida neste momento mas sim determinado e definido por quem eu outrora fui -- o que implica que eu não estou/sou REAL mas sim não passo de uma ILUSÃO.

Eu perdoo-me por não me ter aceite e permitido investigar quais foram os momentos no/do passado que me definiram de tal maneira que fazem com que eu não seja capaz de viver o Livre Arbítrio na totalidade -- pois para eu VIVER de verdade é necessário que eu seja realmente LIVRE de todos os condicionamentos passados presentes e futuros.

Eu perdoo-me por não me ter aceite e permitido realizar que para se viver Aqui no momento, experiênciar e ser a expressão de felicidade, alegria, divertimento etc - é impossivel fazê-lo através do pensamento/mente - pois para tal é necessário que uma (ou mais) memória exista, e assim já não se está/é Aqui no momento mas sim no passado, presente e futuro da mente.

Eu perdoo-me por não me ter aceite e permitido realizar que a felicidade, alegria, divertimento etc não é um pensamento -- logo não é algo que seja definido pela mente (pelo passado, presente e futuro)

Eu perdoo-me por não me ter aceite e permitido realizar que é impossivel ter uma VERDADEIRA experiência de alegria  através do pensamento (memória) -- a única coisa que posso fazer é ter um pensamento sobre alegria - mas isso em sí não é uma experiência de alegria.

Eu perdoo-me por não me ter aceite e permitido realizar que  é através do perdão próprio que eu me desengato das memórias do passado que me limitam neste momento e no futuro e, por sua vez, fará com que eu possa realmente estar/ser Aqui como Vida, verdadeiramente Livre.

Eu perdoo-me por não me ter aceite e permitido realizar que a VERDADEIRA Paz, Amor, Alegria, Felicidade (etc) são experiências de e da Vida que só serão possiveis de experiênciar quando toda a limitação do passado, presente e futuro (a limitação da Mente) forem na sua totalidade removidas através do perdão próprio e através da respectiva aplicação prática correctiva.

0 comentários:

Enviar um comentário

 
◄ Free Blogger Templates by The Blog Templates | Design by Pocket