25 de fevereiro de 2013

Dia 169 - "Mudança Equlibrada": O Perdão

25 de fevereiro de 2013

Eu perdoo-me por me ter aceite e permitido abusar de mim mesmo ao ir de um extremo para o outro, sem realizar que ao faze-lo estou na mesma a participar na mente, acabando por não criar qualquer tipo de mudança que perdure.

Eu perdoo-me por me ter aceite e permitido abusar do meu corpo ao chegar a um ponto de exaustão sem realizar que o processo de realização implica que eu REALIZE qual é a forma mais eficar garantir que a minha aplicação é constante, estável e duradoura. 

Eu perdoo-me por me ter aceite e permitido agir sem realizar que o resultado será a exaustão.

Eu perdoo-me por não me ter aceite e permitido realizar que eu tenho de ser honesto comigo mesmo em relação
áquilo que faço e experiêncio, caso contrário acabarei por não me desenvolver de uma forma REAL -- não passará de um falso senso de "mudança".

 Eu perdoo-me por me ter aceite e permitido ter uma ideia/imagem de mim mesmo como alguém mudado e tentar honrrar tal imagem/ideia sem considerer quais são os passos FÍSICOS que isso implica.

Eu perdoo-me por me ter aceite e permitido ESPERAR demasiado de mim mesmo sem saber verdadeiramente o que tal ESPERANÇA implica e o que implica MATERIALIZAR ("rializar") esse "Eu" que eu Espero vir a ser.

Eu perdoo-me por me ter aceite e permitido comparar quem eu sou com aquilo que eu pretendo ser e sentir-me mal por ver que "ainda estou longe" de o alcançar -- em vez de decidir integrar em mim um dos aspectos "daquele que pretendo ser" até estar satisfeito e depois passar para um outro ponto e assim sucessivamente.

Eu perdoo-me por não me ter aceite e permitido abrandar e realizar que é passo a passo, respiração a respiração que eu acumulo/integro aquilo que representa quem eu sou como vida.

Eu perdoo-me por não me ter aceite e permitido realizar que o máximo e o melhor que eu posso fazer a cada dia - a cada momento - é permanecer dedicado em trabalhar num número limitado de pontos que eu sei, em HONESTIDADE PRÓPRIA,  ser capaz de lidar.

Eu perdoo-me por não me ter aceite e permitido realizar que é através do tempo que eu tenho a confirmação de que estou verdadeiramente a mudar -- como tal é desnecessário dar "tudo por tudo" sem realizar que se eu não for capaz de dar "tudo por tudo" daí para a frente, então todo o meu "esforço" terá sido em vão.

Eu perdoo-me por não me ter aceite e permitido realizar que é necessário eu dar "tempo ao tempo": Quero dizer com isto que é necessário eu garantir que dou o tempo suficiente para provar que qualquer ponto que eu decido integrar como parte da minha expressão se torne verdadeiramente uma parte do meu ser.

Eu perdoo-me por não me ter aceite e permitido realizar que é através da minha dedicação e disciplina em ser honesto comigo em relação a quem eu sou neste momento e aquilo que sou capaz de lidar que eu serei capaz de garantir que a minha mudança é REAL!

Eu perdoo-me por não me ter aceite e permitido abrandar em mim, respirar e ver verdadeiramente aquilo que se passa comigo, de forma a que eu possa tomar decisões que são realmente aquilo que é melhor para mim no contexto da realiação de quem eu sou como vida, um e igual com tudo e todos.

0 comentários:

Enviar um comentário

 
◄ Free Blogger Templates by The Blog Templates | Design by Pocket