21 de abril de 2013

Dia 184 - Decisão - Batendo na Mesma Tecla....

21 de abril de 2013 0

Ontem procrastinei a minha aplicação. Não me permiti ver que estava a ACREDITAR ser o
sentimento/experiência "deixa-me escrever daqui a pouco - vou só ver isto..."
Não passava de uma experiência energética - não é Real. Era uma energia gerada pelo meu design pre-programado que, através da minha participação, garantiu que eu não me desse direcção nem movimento próprios.

Perdi demasiado tempo com "coisinhas", não respeirei o meu horário. Fiz coisas quando devia de estar a fazer outras - e o resultado foi não ter escrito o que tinha planeado.

A minha decisão em VIVER a correcção ainda não é real -- tenho de continuar a escrever sobre este ponto de forma a que eu tenha provas físicas que estou realmente a viver a decisão.

Eu perdoo-me por me ter aceite e permitido acreditar que eu sou as experiências energéticas - resistências, procrastinação, perguiça etc - em vez de realizar que eu sou capaz de as parar e dar-me direcção.

Eu perdoo-me por não me ter aceite e permitido realizar que escrever e dar-me direcção NUNCA CUSTA! --> só a energia/resistência em O ser/fazer é que me faz crer que é difícil e que eu posso deixar para "mais tarde".

Eu perdoo-me por não me ter aceite e permitido descobrir o divertimento, alegria, satisfação e felicidade que eu dou a mim mesmo ao SER dedicado e disciplinado neste processo e na criação de um novo "Eu" que eu esteja satisfeito a todo o momento e que +e a expressão viva daquilo que é Melhor para Todos.

Eu perdoo-me por não me ter aceite e permitido realizar que a minha "vontade" de dormir é o resultado da minha participação na procrastinação e nas resistências que tenho durante o dia em me dar direcção e movimento próprio.

Eu perdoo-me por não me ter aceite e permitido realizar que a se mínima resistência em me perdoar, dar direcção e movimento próprio não for libertada/perdoada irá acumular até se tornar num "monstro" que acabará por me controlar até eu tomar a decisão de o "combater" com um igual "monstro" de perdão próprio -- para depois me encontrar outra vez na posição de tomar a decisão de perdoar as resistências em me dar direcção e movimento próprio --- logo, eu realizo, que quanto mais tempo eu adiar a minha aplicação, mais tempo eu irei demorar.

Eu perdoo-me por não me ter aceite e permitido lidar com os pontos que surgem eficazmente ao me dedicar em os perdoar à medida que se apresentam -- em vez de permitir que eles acumulem e depois decida lidar com "tudo de uma vez" -- eu realizo que isto não é prátioco e desta forma nunca irei conseguir terminar o processo pois Eu Existo AQUI a cada momento da respiração e é SÓ Aqui em cada momento que eu tenho de a capacidade de realmente me criar como Aquilo que é melhor para todos.

Eu perdoo-me por me ter aceite e permitido que enquanto eu não for capaz de vez em honestidade própria que a minha aplicação é satisfatória -- então eu sei que necessito de escrever mais sobre este ponto da DECISÃO em dedicar CADA momento da Respiração à auto-correcção e posterior criação de Quem eu Decido Ser como Um e Igual com e como Aquilo que É Melhor para Todos.

Dia 183 - Programando as Capacidades Necessárias à Vida


"Tu tens de Decidir fazer algo - e depois tens de fazer todas as mudanças técnicas necessárias no teu
design pré-programado - pois se não o fizeres o teu programa não irá cooperar"

Eu perdoo-me por não me ter aceite e permitido realizar que caso eu não me programar para me tornar disciplinado, o meu pre-programa irá levar-me a fazer exactamente o contrário.

Eu perdoo-me por não me ter aceite e permitido realizar que se eu não me programar para permanecer aqui com e como a respiração, a cada momento -- e com tal capaz de me dar direcção -- o meu pré-programa tomará o controlo e eu serei apenas uma "marioneta", sujeito a qualquer e todos os pensamentos e experiências energéticas que possa experiênciar.

Eu perdoo-me por não me ter aceite e permitido realizar que se eu não puxar por mim para parar de procrastinar, irei acabar por continuar a fazê-lo. Eu realizo que tenho de me programar, primeiramente, a PARAR os pensamentos que me levam a procrastinar para ser capaz de fazer o que tenho de fazer -- e desta forma não deixo as coisas para "mais tarde".

Eu perdoo-me por me ter aceite e permitido ter uma ideia/imagem de mim mesmo dedicado e disciplinado mas que só existe no futuro -- em vez de eu realizar que ao me permitir acreditar em tais imagens/ideias eu acabo por as manifestar. Sendo assim eu realizo que É AQUI a CADA MOMENTO que eu tenho a capacidade de me criar como disciplinado e dedicado, à medida que vivo aqui com e como a respiração.

Eu perdoo-me por me ter aceite e permitido "querer algo mais" em vez de me tornar COMPLETO com o simples acto de respirar.

Eu perdoo-me por me ter aceite e permitido querer mais do que aquilo que realmente necessito --- Eu realizo que todo aquilo que está para além das necessidades físicas do meu corpo não passam de desejos da mente que me prendem à ilusão de que eu sou os pensamentos/sentimentos/emoções/reacções.

Eu perdoo-me por não me ter aceite e permitido realizar que eu tenho de programar em mim mesmo as capacidades que necessito para me tornar eficaz a cada momento -- pois caso contrário o meu pre-programa não irá de todo contribuir para tal -- e a prova disso está na minha existência até então.

Eu perdoo-me por não me ter aceito e permitido realizar que eu tenho de "desaprender" o que fui ensinado e que só tenho provas de que não constitui o que é melhor para todos/mim e tenho posteriormente de aprender/programar em mim aquilo que é a expressão Viva daquilo que É Melhor para Todos.

Eu perdoo-me por não me ter aceite e permitido realizar que não há meias medidas: Ou eu SOU REAL ao VIVER/SER aquilo que é Melhor para Todos ou então não passo de uma ilusão à medida que me permito estar sujeito às experiências energéticas (pensamnetos/sentimentos/emoções) geradas pelo Sistema de Mente Consciente.

Eu perdoo-me por não me ter aceite e permitido realizar que quando começo a escrever e programar em mim mesmo Aquilo que Decido Ser, não custa assim tanto como eu inicialmente PENSAVA SER --- eu realizo que BASTA eu puxar por mim durante uns momentos, respirando e escrevendo, para que as resistências deixem de me controlar e como tal vejo-me capaz de me dar direcção e movimento próprios.

Eu dedico-me a respirar e a começar a escrever cada vez que sinto resistências em me dar direcção.

Eu dedico-me a parar por momentos quando sinto resistências em me dar direcção para me lembrar da minha decisão e da urgente necessidade de me Criar Como Aquilo que é Melhor para TODOS. Eu não ando este processo só por mim -- ando-o por Todos, como Todos -- pois se não o fizer, que tipo de integridade terei?  

19 de abril de 2013

Dia 182 - "Estou cansado, vou dormir mais" - Uma bela desculpa...

19 de abril de 2013 0

Ontem foi um dia longo que começou as 6 da manhã (depoi de ter dormido 3.5horas) e só acabou as 2 da
manha. Foi particularmente mais cansativo porque andei a montar e a a desmontar equipamento de som e luz durante o dia todo com curtos intervalos de descanso, passando assim a maior parte do tempo de pé.
Hoje ao acordar de manhã senti as minhas pernas cansadas e disse para mim mesmo "deixa-me dormir mais um pouco" --  e foi o que fiz - no entanto em demasia...

Eu vejo agora que o que fiz foi desnecessário. De certa forma o cansaço nas pernas foi a desculpa perfeita para "dormir mais um pouco". Quando me levantei eu senti as pernas exactamente da mesma forma relativas a quando acordei pela primeira vez.

Portanto: De que me serviu dormir mais?

Momentos depois a me ter levantado, o cansaço/incómodo que sentia nas pernas já não era de todo "incómodo".
Assim sendo pergunto-me: Será que era mesmo cansaço ou não passava de um "truque da mente" para me "manter" na cama e, desta forma, desafiando a minha direcção e movimento próprios?
Para além disso: Quer eu esteja a dormir ou não eu tenho de estar confortável no meu corpo.

 Eu perdoo-me por me ter aceite e permitido ser controlado por um sentimento/experiência ao me permitir de imediato acreditar que tal experiência/sentimento é real em vez de investigar o ponto, testando na prática, questionando-me em honestidado própria para ver se realmente as coisas "são o que pareçem".

Eu perdoo-me por me ter aceite e permitido que as certas experiências sejam usadas como desculpas e justificações para permanecer na cama e "dormir mais um pouco" em vez de puxar por mim para testar a experiência -- neste caso seria levantar-me durante um pouco e fazer por me tornar confortável no meu corpo.

Eu perdoo-me por não me ter aceite e permitido realizar que a forma como eu me fui permitindo continuar na cama a dormir "mais e mais um pouco" é a mesma de sempre -- e como tal eu tenho a prova para mim mesmo de que eu não me estava a dar direcção mas sim a repetir um padrão/comportamento que faz parte do design da minha mente.

Eu perdoo-me por me ter aceite e permitido acreditar que as experiências/sentimentos que me fazem pensar que eu posso "continuar na cama" e "dormir mais um pouco" são reais em vez de realizar que tais pensamentos são indicadores de que eu muito provávelmente estou prestes a repetir um padrão/hábito comportamental e como tal eu tenho de me dedicar a TESTAR tais comportamentos ao me LEVANTAR de imediato, focar-me na respiração por momentos, integrar-me no meu corpo (esticar-me!) e dar-me a mim mesmo uns momentos para ver em honestidade própria se REALMENTE necessito de dormir/descansar mais um pouco ou não.

Eu perdoo-me por me ter aceite e permitido distrair-me do processo que Decidi dedicar-me em vez de me manter aqui com e como a respiração, dar-me direcção e não me permitir que a mente e as energias pela mesma geradas me controlem e definam quem sou.

Eu perdoo-me por me ter aceite e permitido sentir-me cansado quando acordo e de imediato rer que preciso/necessito de dormir mais em vez de parar, respirar e questionar-me em honestidade própria se eu realmente necessito/preciso de dormir/descansar mais.

Eu perdoo-me por não me ter aceite e permitido realizar que a mente dá indicações ao corpo para produzir certas substâncias químicas que me fazem sentir de certa forma mas no entanto NÃO REFLECTE a verdadeira condição/estado do corpo -- no fundo tudo isto não passa de uma forma que a mente usa para me manter sob o controlo da mesma à medida que eu acredito que os sentimentos/experiências são reais.

Eu dedico-me a acordar e a a me levantar de imediato. Só então passado um pouco é que eu terei a certeza se necessito de descansar/dormir mais um pouco ou não.

Quando e assim que me vejo a decidir ficar mais um pouco na cama quando acordo: Eu páro e respiro. Nesse momento eu realizo que tal é um pensamento padrão que me leva a agir sempre da mesma forma -- e como tal eu dedico-me a não ser controlado pelo pensamento, puxo por mim para me levantar, respirar e em honestidade própria ver se realmente necessido de descansar/dormir mais.

18 de abril de 2013

Dia 181 - Pequenos Momentos de Realidade: A Respiração

18 de abril de 2013 0

"Quando acreditas que alcançaste algo, erradamente acreditas que "fizeste algo". Entende: Ou existe
aquilo que é REAL ou existe ilusão.
O que é REAL existe em pequenos periodos de tempo que experiênciamos como os momentos da respiração (inspiração e expiração). Nunca se alcança nada. Nunca há um "início" -- porque cada "início" tem um "fim".
A VIDA não têm um "fim", a VIDA não "acaba". Os programas, por outro lado, têm um início e um fim -- e todos, sem excepção, acabam com a morte.
Portanto , o ponto da questão não é "começar/iniciar" -- mas sim VIVER de Respiração em Respiração. Desta forma nunca há um "começo/início" nem um "fim".
Esta é a DECISÃO: Quem sou Eu e COMO é que este "Eu", que eu Deciso Ser", será materializado?"

Eu perdoo-me por me ter aceite e permitido crer que eu tenho de "começar algo" neste processo de auto-realização para alcançar um "fim" em vez de realizar que este processo é vivido/materializado/realizado a cada momento da respiração, e como tal não é necessário nenhuma "preparação" para "alcançar" um cero "fim".

Eu perdoo-me por me ter aceite e permitido "adiar/deixar para mais tarde" a minha aplicação através da crença de que eu tenho de me "preparar" e como tal até eu estiver "pronto" não posso "começar" --em vez de realizar que a VIDA não tem começo nem fim - é eterna - e como tal eu tenho de me criar como essa Eternidade a cada momento da Respiração.

Eu perdoo-me por me ter aceite e permitido "adiar" a minha aplicação através do uso de Desculpas e Justificações tais como "começo mais tarde" e desta forma permito que o meu Ego/Mente defina quem eu sou, o que penso, o que digo e o que faço -- em vez de realizar que a Vida é AQUI Vivida a cada momento da Respiração e como tal eu tenho a capacidade de Decidir Estar/Ser Aqui a dar-me Direcção a CADA MOMENTO.

Eu perdoo-me por me ter aceite e permitido acreditar que a Vida é como "um prémio" e que para "o" ganhar eu tenho de "fazer algo" em vez de realizar que esta ideia não passa de um elemento do actual sistema (de mente consciente e socio-económico) no qual temos de fazer certas coisas para sermos "compensados" pelo nosso "esforço" -- em vez de realizar que a VIDA não pede nada, a VIDA não deseja pois a Vida não "sente falta" --- a VIDA não requer aprovação, a VIDA não requer reCONHECIMENTO -- pois a vida não é definida por conhecimento/informação.

A Vida É. Como tal, a VIDA é O Estado de SER REAL -- e como tal eu tenho de SER, Aqui, Um e Igual com e como a VIDA.

Eu perdoo-me por me ter aceite e permitido  acreditar que as energias que experiêncio  relativas ao "sucesso/atingir/alcançar" são reais em vez de realizar que não passam do produto da minha participação no meu pré-programa de mente consciente no qual a VIDA Não existe.

Eu perdoo-e por não me ter aceite e permitido realizar que a DEDICAÇÃO à VIDA só é possível ao me dedica a permanecer Aqui com e como cada momento da Respiração, fazendo/tomando Decisões a cada momento considerando Aquilo que É Melhor para TODOS, em senso comum e Honestidade-Própria.

Eu dedico-me a permanecer Aqui com e como a Respiração, tomando Decisões a cada momento baseadas em honestidade própria e senso comum com o objectivo de me Criar como a expressão VIVA daquilo que é Melhor Para Todos através de me tornar/criar como Um e Igual com e como a Vida.

16 de abril de 2013

Dia 180 - A Tendência de Desistir

16 de abril de 2013 0

Desistimos muito facilmente.

O mundo actual é o resultado da nossa desistência em nos tornarmos melhor.
As crianças querem um mundo melhor. Os adolescentes revoltam-se contra os pais e sociedade, dizendo que as coisas não estão bem e que as devemos mudar. Os adultos dizem "ainda tens de crescer para perceber como é que as coisas são, quando tiveres a minha idade vais ver" -- eventualmente os adolescentes desistem porque vêm que não têm escolha a não ser jogar com as regras do sistema. Estes tornam-se adultos e eventualmente dizem o mesmo aos seus filhos.

A tarefa de mudarmos o mundo parece ser tão difícil que nem sequer nos damos ao trabalho de tentar. É bem mais facil acreditar num Deus e pensar que depois da morte vamos para o Paraíso no qual não temos de lidar com a situação aqui na Terra.

Fomos programados para desistirmos. Não temos integridade nenhuma -- pois se a tivessemos não nos permitiriamos existir da forma que existimos.

Mudar é uma tarefa muito complicada, muito árdua. A jornada parece muito longa, por isso mais vale nem começar. E mesmo aqueles que a começam vêm que enfrentam obstáculos vezes sem conta. O sistema não permite que o próprio sistema mude --> não só me refiro ao sistema socio-económico mas também ao sistema de mente consciente, pois ambos não passam do mesmo: Um sistema de abuso no qual a VIDA não existe.

O sistema foi desenhado desta forma: para garantir que todos desistimos, desafiando todas as nossas decisões para nos mudarmos, de todas as formas - com o a intenção de que desistas e que acabes por aceitar que o mundo "não pode mudar" porque "tu não és capaz de mudar" -- mas na verdade esta é o teste...
Porque é que estamos aqui na Terra? Para nos tornarmos Dignos de Vida. Nada te pode distrair até te Tornares VIDA -- pois, de outra forma, não mereces a Vida, pois só tu tens o poder de te a dar a ti mesmo.

Quantas vezes já tentaste mudar certos aspectos do "teu ser", viste que não conseguiste, pensaste para ti próprio que não vale a pena tentar mais, aceitáste esse aspecto como "uma imperfeição tua" e como tal desististe de tentar mudar?
Um dos grandes problemas é que TODOS O FAZEM - por isso não tenho nenhum exemplo que nos indique claramente que é realmente possivel mudarmos! Acabamos por aceitas as "imperfeições" uns dos outros ao aceitamos as nossas. O Desteni existe para por um fim a esta ideia de que não somos capazes de nos tornarmos Aquilo que É Melhor para Todos -- E como tal tornarmo-nos Um e Igual Com e Como a Vida.

Enquanto a Decisão de nos dedicarmos à correcção não for tomada em absoluto, acabaremos sempre por desistir. Se a Decisão for Real então o indicador da sua veracidade será o facto de que não irás desistir, independent de todas as desculpas e justificações que possam surgir, independentemente de todas as resistências, de todos os medos, de todos os desejos...

Não há mais nada a fazer nesta Terra senão Dedicarmo-nos à correcção. Tudo o resto não passam de "coisinhas que fazemos" para nos mantermos aqui no físico para que sejamos capazes de de andar este processo eficazmente: Assim sendo é de extrema importância criarmos uma estabilidade nas nossas "vidas" para que possamos ter as condições e o tempo necessário para nos dedicarmos à correcção.

Enquando o Sistema de Igualdade Monetária não for estabelecido de forma a providênciar a TODOS os seres humanos as condições e o tempo necessários para nos dedicarmos ao processo de correcção - é obvio que necessitamos de "jogar com as regras" do actual do sistema. Felizmente, ao te dedicares a este processo, verás que será muito mais fácil desenvolveres as abilidades/técnicas/capacidades necessárias para te estabeleceres financeiramente.

Não Desistas! Pois ao fazê-lo só estás a Desistir de Ti mesmo... e  as conequências que se seguem são bem mais dolorosas -- porque é que haveria de ser de outra forma? O que é que achas que o mundo actual demonstra?
É altura de pôrmos um fim a este abuso.

15 de abril de 2013

Dia 179 - Eliminando o Sistema de Mente Consciente

15 de abril de 2013 0
"Tu terás de dar-te direcção a cada momento da respiração e transcender todos os medos, todas as resistências, realizando que tudo aquilo que podes ser é uma questão de te programares para sê-lo e que todo o teu sistema de mente consciente estará contra tal."

Eu perdoo-me por não me ter aceite e permitido realizar que a energia que me controla e me mantêm escravo da mente não passa do produto do programa pré-desenhado que é a base do meu sistema de mente consciente -- e quem Eu Realmente sou como Vida só será descoberto/criado quando eu eliminar todo o programa que gera a energia. Assim sendo eu realizo que é através da eliminação do programa que eu páro as experiências energéticas e como tal crio para mim mesmo a possibilidade de me Criar como Vida como Aquilo que é melhor para todos.

Eu perdoo-me por não me ter aceite e permitido realizar que é através da minha presença com a respiração que eu sou capaz de eficazmente programar em mim mesmo a dedicação, determinação, disciplina e direcção necessárias para me transcer as energias da mente e o programa que as gera para posteriormente me poder Criar como Vida como Um e Igual com Tudo/Todos.

Eu perdoo-me por não me ter aceite e permitido realizar que enquanto eu me permitir ser controlado por energia os ciclos irão-se repetir vezes sem conta.

Eu perdoo-me por não me ter aceite e permitido realizar que enquanto eu permitir que a energia gerada pelo programa me controle  não serei capaz de me dar direcção pois tudo o que farei será o resultado da minha participação na energia.

Eu perdoo-me por não me ter aceite e permitido realizar que que enquanto o programa não for totalmente eliminado eu estarei sempre à mercê da energia e como tal a Decisão em eliminar o programa deve de ser a motivação da minha aplicação -- tudo o resto não passam de decisões que pouca relevância têm se considerarmos a única coisa que é realmente relevante: A Vida.

Eu perdoo-me por não me ter aceite e permitido realizar que as resistências em me aplicar ao processo de eliminação do programa não passa de uma resistência do mesmo programa numa tentativa de me manter um escravo do mesmo.

Eu perdoo-me por me ter aceite e permitido querer que eu sinta "vontade" para escrever e dedicar a este processo em vez de realizar que tal vai contra o design do programa e assim sendo eu tenho de programar em mim mesmo a vontade e a dedicação --> pois se não o fizer o que é certo é que eu acabarei por continuar nesta mesma experiência na qual eu não passo de um escravo da minha mente, passando de uma polaridade positiva para uma negativa, vezes sem conta até à minha morte caso eu não PÁRE o programa.

Eu perdoo-me por não me ter aceite e permitido realizar que aquilo que é melhor para todos ainda não existe em mim -- eu tenho de me criar como tal.

Eu perdoo-me por não me ter aceite e permitido realizar que aquilo que eu quero/gosto/desejo é na verdade o meu programa  -- e como tal eu tenho de parar tais experiências energéticas de forma a transcender a mente. Eu realizo que aquilo que eu "gosto/quero/desejo" não representa quem eu Realmente Sou como Vida, e como tal eu não tenho nada a perder ao por um fim a tais desejos/vontades -- bem pelo contrário, so tenho a ganhar: A possibilidade de me criar como Quem eu Sou como Vida.

Eu perdoo-me por não me ter aceite e permitido realizar que é a cada respiração que eu tomo a decisão de me dedicar à correcção -- a cada momento da respiração eu dou-me direcção para permanecer AQUI onde estou, lidando com o ambiente que me rodeia eficazmente, sem me permitir que os pensamentos e energias geradas pelo programa da mente me controlem/definam.

Eu perdoo-me por não me ter aceite e permitido realizar que eu só saberei com certeza que os ciclos positivos e negativos da mente foram completamente eliminados quando os ciclos deixarem de surgir E SE a minha aplicação for Aquilo que É Melhor para todos.

Eu perdoo-me por não me ter aceite e permitido realizar que é através da minha dedicação áquilo que é melhor para todos eu eu sou capaz de eficazmente por um fim aos ciclos positivos/negativos da mente que me prendem à ilusão de que eu sou a energia gerada pela mente/programa.


3 de abril de 2013

Dia 178 - "Tenho de fazer!!": O Perdão-Próprio

3 de abril de 2013 0

Eu perdoo-me por me ter aceite e permitido sentir que eu TENHO DE ESCREVER O BLOG em vez de realizar
que é para o meu próprio bem )e para bem de quem o lê) que o escrevo.

Eu perdoo-me por me ter aceite e permitido negar a mim mesmo o meu bem estar ao me dedicar a escrever o blog - investigando desta forma os pontos que ainda me prendem à ideia/crença de que sou "menos/incapaz" e/ou"superior/mais que" os outros -- em vez de realizar que isto não passa da polaridade da mente que me separa de mim mesmo/do todo.

Eu perdoo-me por não me ter aceite e permitido realizar que ao não escrever o blog eu estou a permitir que a mente "ganhe" ao me convencer que "eu posso deixar para amanhã" -- em vez de realizar que ao fazê-lo eu só estou a adiar a minha auto-realização --> e se eu adiar demasiado acabarei por ficar sem "tempo".

Eu perdoo-me por não me ter aceite e permitido realizar que a minha consistência em escrever o blog reflete a minha consistência na dedicação a corrigir os padrões/hábitos destrutivos que em mim ainda existem.

Eu perdoo-me por não me ter aceite e permitido escrever o blog todos os dias não por ser um DEVER/OBRIGAÇÃO mas sim porque eu REALIZO/ENTENDO/VEJO que é o melhor para mim!

Eu perdoo-me por me ter aceite e permitido que a mente me apresente desculpas e justificações sob a forma de pensamentos, sentimentos, emoções e RESISTÊNCIAS para que eu NÃO escreva o blog em vez de realizar que é NESSE MOMENTO que eu devo PUXAR POR MIM para o fazer --> pois esse é o momento em que eu tenho a oportunidade em fazer a diferênça -- e desta forma estabelecer/definir o "NOVO EU" que está como e pela Vida, Um e Igual.

Eu perdoo-me por não me ter aceite e permitido realizar que eu tenho de PROGRAMAR em mim mesmo a disciplina, determinação, consistência e empenho em escrever o Blog --> Que é o mesmo que dizer que eu é necessário que eu PROGRAME em mim mesmo a disciplina, determinação, consistência e empenho na Realização/Criação de Quem eu Realmente Sou como Vida, Um e Igual.

Eu perdoo-me por me ter aceite e permitido fazer o oposto daquilo que sei perfeitamente ser o que é melhor para mim em vez de realizar que ao eu só o faço se permitir que a mente (e a sua polaridade) me controle/domine/manipule com experiências energéticas (os pensamentos, sentimentos, emoções e resistências)

Eu perdoo-me por me ter aceite e permitido deixar para amanha aquilo que eu REALIZO/VEJO/ENTENDO ser o melhor para mim.

EU perdoo-me por não me ter aceite e permitido realizar que eu necessito de um número X de dias para me corrigir por completo -- e por cada dia que eu "deixar para amanhã" é mais um dia a adicionar a esse X número de dias -- assim sendo eu dedico-me a garantir que faço que máximo que posso cada dia de forma a garantir que a minha "caminhada para a VIDA" não seja ainda mais longa -- por quanto mais longa for a caminhada, mais consequência (dor) terei de experiênciar --> e isto é algo que eu já dei provas a mim mesmo vezes sem conta...

Eu dedico-me a criar em mim mesmo uma consistência diária em me auto-corrigir --> uma consistência diária em a cada dia que passa fazer tudo o que posso para me tornar uma melhor versão de mim mesmo.

Dia 177 - "Tenho de fazer!!": A tormenta do dever


Quando fazemos algo porque "temos de o fazer" - na maior parte das fazes fazê-lo a meio gás.

Quando temos de fazer algo mas no entanto podemos deixar para "amanhã" - na maior parte das vezes é isso mesmo que fazemos.

Eu não escrevo um blog há quase um mês. Tenho deixado sempre para o "amanhã": "Para quê fazer hoje se posso fazer amanhã?" Quando dou por mim já passou uma semana... Duas, três, quatro....

Como podem reparar, a minha consistência a escrever o blog é inexistente... Há alturas em que sou dedicado, que escrevo todos os dias - mas parece que chega sempre um dia em que eu deixo para o "amanhã". E o "amanhã" torna-se o "depois de amanhã" - e por ai adiante.

Deixo de escrever o blog porque "não me apetece": "agora estou/vou fazer isto" -- e depois já é tarde e "vou dormir, estou com sono e cansado, escrevo amanhã".

Escrever o blog todos os dias é um compromisso. E ao ser um compromisso é como se passasse a ver o blog como uma "obrigação"... Esqueço-me que o faço POR MIM: Porque vejo/percebo/entendo/realizo que só há benefícios em fazê-lo. Quando me esqueço disto o blog torna-se um "dever" -- passa a ser um "tenho de fazer" -- e quando se torna nisto eu crio uma aversão imensa...  É como a escola: "Eu TINHA que ir para a escola... Não queria, mas TINHA DE SER!"

Tu vais trabalhar porquê? Porque relamente queres e adoras o que fazes? Ou porque, se fores honesto contigo, "tem de ser"?
Assim se vê como o sistema faz com que o ser humano só se mexe porque "tem de ser" -- é como o vento: Só se mexe se for sobre pressão. Por isso é que as férias são tão desejadas -- e o que é que fazemos nas férias? Nada! Queremos é paz e descanso... Para quê? Para "descomprimir".

Não é facil dedicares-te a algo quando esse algo requer de ti disciplina, presistência, empenho e direcção -- e ainda mais quando não há dinheiro envolvido... Mesmo quando esse algo seja o melhor para ti!

Porquê?
Porque é que mesmo que aquilo que é o melhor para nós nos custa tanto fazer/ser/viver?
O que é que em nós existe que faz com que acabemos por fazer exactamente o oposto daquilo que sabemos ser o melhor para nós?
Se isto não é a prova de que o ser humano é completamente disfuncional, então não sei o que será...
Somos todos esquizofrénicos!

Para que é que eu ei de deixar para amanhã o que é melhor para mim!? Para quê adiar o meu bem estar? A minha paz? A minha tranquilidade? A minha harmonia? A minha compaixão? O meu entendimento? A minha honestidade? O meu perdão?




Dia 176 - O Criador da VIda: O Perdão-Próprio


Eu perdoo-me por não me ter aceite e permitido realizar que se eu não CRIARr a minha realidade neste momento, então irei permitir que o meu pre-programa "decida por mim" --> como tal acabarei por viver
uma vida pré-programada na qual eu aos poucos e poucos me vou consumindo com os meus próprios pensamentos e acabando destruído.

Eu perdoo-me por não me ter aceite e permitido realizar que se eu não DECIDIR Quem Eu Sou neste momento e se não o viver, então irei permitir ser "alguém" que não é escolha minha mas sim uma escolha feita pela sociedade/cultura/religião/familia/amigos --> o que em si quer dizer que a minha expressão não é verdadeiramente minha pois não passa de um reflexo da sociedade destrutiva que aceitamos como "normal".

Eu perdoo-me por não me ter aceite e permitido realizar que a "minha vida" só é "minha" se for Eu verdadeiramente a tomar ABSOLUTA RESPONSABILIDADE por Quem Eu Sou a cada momento da respiração.

Eu perdoo-me por não me ter aceite e permitido realizar que se eu não gosto da minha vida então é porque eu não estou a tomar responsabilidade por mim mesmo e estou a permitir fazer-me de "coitadinho" ao aceitar que desculpas e justificações para Não mudar me controlem.

Eu perdoo-me por não me ter aceite e permitido realizar que a depressão é um "sintoma" de uma "vida" na qual não existe qualquer direcção própria --> e sem direcção própria não existe qualquer tipo de satisfação = e é ao se estar insatisfeito com a "vida" que se entra em depressão.

Eu perdoo-me  por me ter aceite e permitido acreditar que Quem Eu Sou neste momento tem de ser obrigatóriamente definido por todo o meu passado em vez de realizar que apesar de eu não poder mudar o passado eu posso parar de fazer com que o passado tenha uma influência em mim - e desta forma eu serei capaz de mudar, e como tal o passado deixará de fazer parte da minha Vida Aqui neste momento.

Eu perdoo-me por não me ter aceite e permitido realizar que se eu não me Criar a cada momento, então a cada momento eu sou um criádo/escravo do passado --> do programa que a sociedade/cultura/religião/país/família implementou em mim.

Eu perdoo-me por não me ter aceite e permitido mudar POR MIM, para o meu bem (e para o bem de todos!)

Eu perdoo-me por me ter aceite e permitido sentir-me forçado a mudar em vez de realizar que a mudança, para ser verdadeira, tem de ter origem numa REALIZAÇÃO pessoal e não como uma imposição.

Eu perdoo-me por não me ter aceite e permitido dar-me direcção a mim mesmo através da realização de que é desta forma que eu serei verdadeiramente capaz de viver.

Eu perdoo-me por não me ter aceite e permitido realizar que é através das decisões que eu tomo a cada momento que eu defino QUEM SOU -- assim sendo cada momento é valioso, pois é através da acumulação de cada momento que Resulta no Ser que eu Sou.

Eu dedico-me a estar ciente de que a cada momento eu me estou a criar -- a cada momento eu estou a definir QUEM EU SOU!

Dia 175 - O Criador da Vida

Se não fores tu o CRIADOR da tua vida, quem será?
Se não fores tu a DECIDIR QUEM ÉS, quem é que decide?

Se tu não CRIAS a tua Vida, então é porque alguém a criou por ti - e agora encontras-te a viver uma vida que não é tua! Não é de surpreender que não gostas da tua vida, que estejas desanimado, que te sintas deprimido!

Se tu não DECIDES Quem és, então é porque alguém o decidiu por ti - e agora sentes-te perdido, sentes que não és livre para expressar-te,  sentes que algo está errado.. E é obvio que está! --> A tua existência não passa de uma criação da sociedade, de uma cultura, de uma religião, de um país, de uma escola,  de uma família, de uns pais... Vives no passado, preso a uma ideia que acreditas ser Quem tu És.


É TUDO MENTIRA!


Se tu não te CRIAS a cada momento, então não passarás de um "Criádo": Um "servo" que só "serve" para "servir" a mente.

Se tu não DECIDES Quem És e não o Vives na Totalidade, então não passarás de um indeciso: E a tua vida não andará "para a frente" pois estarás na "indecisão".

Como queres que as coisas mudem se não tomas responsabilidade?
Como queres que as coisas mudem se não dás direcção?
Como queres que as coisas mudem se não tomares uma decisão?
Como queres que as coisas mudem se não te dedicares à mudança?
Como queres que as coisas mudem se não fores determinado em mudar?
Como queres que as coisas mudem se não fores disciplinado em viver a mudança passo a passo?
Como queres que as coisas mudem se não confias em ti para mudares?
Como queres que as coisas mudem se não fores Honesto Contigo?

COMO QUERES QUE AS COISAS MUDEM SE TU NÃO AS MUDARES?

"Mudo" é aquele que "não fala" -- por isso, para "MUDARES" "cala-te" e "toca mas é a Agir".
Essa conversa do "eu SEI o que tenho de fazer" e o "pois, eu SEI disso" é absolutamente irrelevante. O "Saber" não vale de nada se não for aplicado.
O ConheCIMENTO, para se tornar Real, tem de se tomar a forma física, sólido quem nem "Cimento".


Quais são as desculpas?
Quais são as justificações?
Quais são as resistências?
Quais são os pensamentos?
Quais são as experiências?
Quais são os pensamentos/emoções?
Quais são os desejos?
Quais são os medos?
Quais são os julgamentos?
---> O que é que está entre ti e a "mudança"?
---> O que é que tu estás a permitir que em ti exista e que não te possibilita mudar?


"Portugal, Portugal - O que é que estás à espera?"


O que é que estás à espera?



 
◄ Free Blogger Templates by The Blog Templates | Design by Pocket