12 de setembro de 2014

Metedologia da Criação: O Perdão-Própio - Parte 5 - Dia 246

12 de setembro de 2014 0
desteni technotutor techno tutor
Agora que já temos uma noção do Princípio Directivo da Realidade, uma noção do Problema de Separação/Polaridade representado pela Mente Humana e uma noção dos vários Sistemas/Programas da Mente que definem a nossa limitação/ilusão --- vamos então agora para a METEDOLOGIA da CRIAÇÃO própriamente dita.

Da mesma forma que começas a fazer uma casa sem qualquer tipo de entendimento do que estás realmente a fazer nem das ferramentas que necessitas, quem tu és hoje em dia é uma "construção" que está cheia de problemas/falhas estruturais que têm de ser completamente "demolidos" (des-Construídos) para que possamos "começar do zero" -- mas desta vez com um entendimento claro de qual é o propósito da construção e quais são as "ferramentas e processos de construção" que irão garantir uma construção sólida e estável na qual podes sempre confiar.

Como é que vamos demolir a nossa "barraca"?
No computador, como é que apagamos os Programas/Sistemas que estão infestados con viros e que só comprometem a funcionalidade do computador? Carregamos na tecla: "DELETE" --- carregamos em "APAGAR" / "ELIMINAR".

Lao Tsé:
“Para ganhar conhecimento, adicione coisas todos os dias. Para ganhar sabedoria, elimine coisas todos os dias.”

Então vamo-nos tornar "sábios"!

Este é o comando que vamos utilizar para "Apagar" / "Eliminar" os Sistemas/Programas da Mente que têm definido a nossa limitação/ilusão.

"Eu perdoo-me por me ter aceite e permitido ..."
e
"Eu perdoo-me por não me ter aceite e permitido realizar que..."

Cada palavra nesta frase está especificamente emprege e localizada para garantir uma eficaz eliminação de um constituínte/permissa/linha de código de um Sistema/Programa da Mente.

"Eu perdoo-me" quer dizer "Eu decido fazer PAZ comigo mesmo"

"por me ter aceite e permitido" quer dizer que existe um total reconhecimento de que "fui EU MESMO que decidi aceitar e permitir". Isto quer dizer que existe uma TOTAL aceitação de RESPONSABILIDADE que o PRÓPRIO é o SUJEITO Fulcral na Criação do Sistema/Programa da Mente -- e como tal é também ele/ela o único/a responsável e capaz de o Eliminar. Quer dizer que existe o reconhecimento de que "fui eu quem permitiu e aceitou a influência do Sistema/Programa de Mente em mim mesmo"

Logo, "Eu perdoo-me por me ter aceite e permitido..." quer dizer "Eu decido fazer Paz comigo mesmo pois eu realizo que sou o responsável pela criação deste Sistema/Programa da Mente e como tal sou capaz de o Eliminar"

Tomemos o exemplo da fobia do Rato:
"Eu perdoo-me por me ter aceite e permitido ter MEDO de ratos".
Nesta frase está-se a dizer: "Eu decido fazer Paz comigo mesmo pois eu reconheço/realizo que sou o responsável pela criação deste Sistema/Programa da Mente que me levou a  ter Medo de ratos." -- OU -- "Eu decido fazer Paz comigo ao fazer Paz com o Sistema/Programa da Mente cujo código lê-se "eu tenho medo/fobia a ratos".

Lembra-te que o OBJECTIVO é a eliminação da SEPARAÇÃO/POLARIDADE entre o Próprio e os Sistemas -- isto porque de acordo com o PRINCÍPIO DIRECTIVO da EXISTÊNCIA (solução) TUDO é UM e IGUAL -- logo, ao aplicar o Perdão Próprio a pessoa está a acabar com a separação existente entre a ela mesma e o Programa/Sistema da Mente -- Está-se a tornar UM e IGUAL com a Existência.

Vejamos o Perdão Próprio para as algumas dimensões do Sistema/Programa "Fobia de Ratos":

--> Vejo o Rato (Princípio/Activação)
---> Sinto uma energia a surgir dentro de mim de medo e nojo (Meio/Desenvolvimento)

Eu perdoo-me por me ter aceite e permitido ter medo de ratos.

Eu perdoo-me por não me ter aceite e permitido realizar que o "medo de ratos" não passa de um sistema/programa da mente e como tal, sendo eu o seu criador, eu sou também capaz de por um fim à sua existência em mim.

Eu perdoo-me por me ter aceite e permitido ter "nojo de ratos" ao me permitir ser afectado pela experiência energética de "Nojo" em vez de realizar que tudo isto não passa de um sistema/programa da mente.

Eu perdoo-me por não me ter aceite e permitido realizar que eu não nasci com o medo e nojo de ratos fazendo já parte de mim -- isto foi algo que eu criei no meu passado com base numa experiência desagradável que eu tive e/ou através de associação da palavra "rato" com a palavra "medo/nojo" e com o tempo fui alimentando esta ideia de que a experiência era real até que passou a fazer parte da ideia que eu tenho de mim mesmo como indivíduo.

Eu perdoo-me por não me ter aceite e permitido realizar que ao libertar a energia de "medo/nojo" associada aos ratos eu sou capaz de me encontrar na presença de ratos e até mesmo pegar num deles sem qualquer problema PORQUE sem a energia o programa/sistema da mente não têm como ser activado -- e como tal eu sou realmente LIVRE para Decidir Quem Sou e o que Decido fazer. 

-----> Grito em histeria e sinto-me petrificado por um momento (Meio/Desenvolvimento)

Eu perdoo-me por me ter aceite e permitido reagir ao ver o rato ao gritar em histeria.

Eu perdoo-me por não me ter aceite e permitido realizar que o grito de histeria não passa da minha expressão do medo e do nojo que eu tenho dos ratos -- logo, ao por um fim ao medo/nojo eu deixo de reagir em gritos de histeria.

Eu perdoo-me por me ter aceite e permitido ficar petreficado quando vejo um rato em vez de realizar que este estado de petrificação não passa de uma energia que totalmente se apodera de mim e neste estado eu deixo de ter livre arbítrio.

Eu perdoo-me por não me ter aceite e permitido realizar que o brito e a petrificação não passam de uma prova de que eu me encontro como um escravo da mente e dos seus sistemas/programas.

Eu perdoo-me por não me ter aceite e permitido realizar que gritar e ficar petrificado não são solução para nada --- logo, o que eu me devo dedicar a fazer é a investigar qual é a origem deste medo para que eu possa fazer paz com a experiência do passado na qual este programa/sistema de medo/nojo de ratos assenta.

------> Fujo dali para fora para evitar ver/contactar com o rato (Fim/Conclusão/Resultado)

Eu perdoo-me por me ter aceite e permitido ser controlado pelo medo/nojo de ratos e reagir ao fugir para longe de forma a me "SENTIR bem", longe dos ratos.

Eu perdoo-me por não me ter aceite e permitido realizar que por mais que eu fuja eu não me posso esconder do facto de que o programa/sistema da mente de Medo/nojo de ratos encontra-se dentro de mim e toma total controlo de mim quando é activado.

Eu perdoo-me por me ter aceite e permitido evitar enfrentar o meu medo de ratos ao fugir para longe deles em vez de RESPIRAR e LIBERTAR a ENERGIA do medo para que depois eu possa agir de forma adequada.

EU perdoo-me por me ter aceite e permitido pensar que os ratos são maus e que me vão fazer mal.

Eu perdoo-me por não me ter aceite e permitido realizar que MUITO PROVAVÉLMENTE eu tenho medo de ratos porque no filme da cinderela as irmãs dela, em medo dos ratinhos, subiram para cima de bancos e começaram a gritar -- e eu, por associação, acabei por julgar os ratos como perigosos e acreditei que a maneira como elas agiram é a maneira correcta de se agir.

Eu perdoo-me por não me ter aceite e permitido realizar que os ratos NÃO ME FAZEM MAL NENHUM -- excepto possíveis doenças que possam transmitir -- o que neste caso a solução é lidar adequadamente com o problema com meios de eliminação de roedores -- e para se fazer isto, ao não se ter medo do rato torna-se muito mais fácil de lidar com a situação.
Os carros representam um perigo mortal para o ser humano -- no entanto, ter medo de carros é inútil! É necessário sim tomar as devidas precauções para evitar accidentes.

Eu perdoo-me por não me ter aceite e permitido realizar que o medo que eu tenho dos ratos é absolutamente irracional.

Suponhamos que eu (a pessoa a fazer o perdão próprio) não tenho medo absolutamente nenhum de formigas. Para eu demonstrar a mim mesmo a irracionalidade do meu medo digo: Eu perdoo-me por não me ter aceite e permitido realizar que ter medo/nojo de ratos é tão irracional como ter medo de formigas.

Eu perdoo-me por não me ter aceite e permitido realizar que eu sou UM e IGUAL com o rato: somos os dois "filhos" do planeta Terra, somos os dois constituintes deste Universo/Existência.

Como podem duas partes desta ÚNICA Existência estarem separadas? Como pode aquilo que Existe estar separado de si mesmo?

Ao aplicar-se o perdão própria a pessoa vai retiranto/eliminado as várias camadas que constituem o programa/sistema da mente. É necessário perdoar os pensamentos, as justificações e as desculpas que usamos para nos convencermos de que o sistema/programa da mente é real, as memórias, as associações, os julgamentos, etc...

Este é o primeiro passo: PERDOAR!
Quando vais começar?

Lao Tsé:
“Aquilo que ouço, esqueço; aquilo que vejo, lembro e aquilo que faço, entendo.” 


11 de setembro de 2014

Metedologia da Criação: Tipos de Programas/Sistemas - Parte 4 - Dia 245

11 de setembro de 2014 0
desteni technotutor techno tutorVou neste blog aprofundar um pouco nos vários tipos de Programas da Mente que definem os nossos comportamentos e hábitos.

Como já foi anteriorment enunciado, os Programas da Mente são Sistemas que foram criádos pelo o próprio, e como tal têm um início, um desenvolvimento e um fim -- e este têm regras de funcionamento/código/gramática  que são definidas pelo valor dos simbolos, ou seja, pela definição das palavras.

As Palavras que constituem a nossa Linguagem são os Simbolos que utilizamos para escrever o código que define os Programas que correm constantemente na nossa mente subconsciente e que definem os nossos padrões de vida, comportamentos e hábitos.

Para fazermos as correcções necessárias na nossa Vida de forma a que a nossa Vivência esteja alinhada com o Princípio de Unidade e Igualdade temos de Identificar os Programas/Sistemas que definem a nossa ilusão/separação/polaridade de forma a que possamos investigar quais são os Simbolos (Palavras) cuja definição se encontra "CONTAMINADA" com uma carga energética (polaridade/pré-conceito/julgamento)

Vejamos um exemplo de um Programa/Sistema:

As Fobias são Programas/Sistemas cuja activação se dá quando o objecto/situação da fobia faz parte do ambiente da pessoa.

Por exemplo: Fobia a Ratos

--> Vejo o Rato (Princípio/Activação)
---> Sinto uma energia a surgir dentro de mim de medo e nojo (Meio/Desenvolvimento)
-----> Grito em histeria e sinto-me petrificado por um momento (Meio/Desenvolvimento)
------> Fujo dali para fora para evitar ver/contactar com o rato (Fim/Conclusão/Resultado)

Agora pergunto: Nesta situação, será que a pessa tem qualquer tipo de livre arbítio?
Claro que não. O programa foi activado e a partir desse momento a situação desenvolveu-se de uma forma que está pré-definida/codificada.

Qual é o Simbolo que está contaminado? É a palavra/imagem "Rato".
Que tipo de contaminação é que o Simbolo têm? Energia do medo/nojo.

Para esta pessoa o "Rato" não é simplesmente "um mamífero roedor". A palavra/imagem do "rato" é sinónimo da experiência energética de medo/nojo à qual a pessoa têm uma aversão -- ou seja, encontra-se "Separada de", em Polaridade/julgamento/pré-conceito. O "Pré-Conceito" é algo que foi "Préviamente Concebido/Conjurado" em separação/polaridade da definição real do Simbolo.

Se perguntares a uma pessoa que tem uma Fobia o porque é que a pessoa tem essa fobia, ela vai muito provávelmente dizer: "Porque tenho medo! É o que eu SINTO. Não consigo mudar. Nem sequer quero tentar mudar porque sei que não consigo"

Portanto, existe todo um número de camadas/dimensões de DESCULPAS e JUSTIFICAÇÕES que levam a pessoa a aceitar a fobia como sendo um elemento essêncial na definição da sua pessoa. Mas na verdade tudo isto não passa de um PROGRAMA/SISTEMA que é activado e nesse instante a pessoa perde total controlo sobre si mesma e aje de acordo com o código do programa.

Não tem de ser assim. É possível por um fim às fobias, aos medos, às ansiedades, ao stress, ao julgamento, à culpa, à vitimização, ao "eu não sou capaz", à procrastinação, à perguiça, à vergonha, à inveja, ao ciúme, à raiva, ao ódio, à ganância, ao vícios, às manipulações, às birras, às reacções, etc,...

Tudo isto são Programas da Mente que garantem que existamos em Separação da REALIDADE. Estes programas não passam de construções energéticas ilusórias  -- e como bem sabemos, todas as ilusões têm um FIM. Está na altura de pores um FIM às tuas ilusões para descobrires quem tu REALMENTE és como Vida, em Unidade e Igualdade com a Existência.


"You take the blue pill - the story ends, you wake up in your bed and believe whatever you want to believe. You take the red pill - you stay in Wonderland and I show you how deep the rabbit-hole goes."


Iusão?
ou
Realidade?

Lao Tsé:
“De dentro vem o que por fora se revela.” 


10 de setembro de 2014

Metedologia da Criação: Os Programas da Mente - Parte 3 - Dia 244

10 de setembro de 2014 0
desteni technotutor techno tutor
Já falei do Princípio que rege a Existência: Unidade e Igualdade

Já falei do problema/ilusão da Separação/Polaridade que têm a origem na Mente Humana.

A questão que agora se coloca é: Como é que utilizamos o Princípio Directivo de Unidade e Igualdade para por fim ao problema/ilusão da Separação/Polaridade?

Para responder a esta questão é necessário entender primeiramente certos aspectos da Mente Humana, sendo o principal o facto que esta não é imutável.

Durante a tua vida a tua Mente tem vindo a "evoluir", e com isto a Definição de "Quem Eu Sou" tem também evoluído. Quem tu és hoje em dia é muito diferente de quem tu eras quando eras adolescente e criança.
Quem Tu És hoje em dia é a tua Criação: Aquilo que pensas, o que acreditas, as incertezas, os medos, as ansiedades, as paixões, as reacções, os hábitos etc... tudo isto é a tua criação, e nada disto é imutável.
O que é imutável são as necessidades fisiológicas do corpo: respirar, comer, dormir, defecar e urinar. Estes aspectos não podes mudar, tem sido assim desde que nasceste e assim será até morreres. Tudo o resto podes mudar -- mas aquilo a que nos vamos dedicar a mudar é TUDO AQUILO que não está alinhado com o Princípio Directivo de Unidade e Igualdade. Para isto vamos começar a olhar para os constituintes da nossa Personalidade e Carácteres como PROGRAMAS.

O que é que sabemos sobre Programas?
  • Programas são construções sistémicas que têm uma funcionalidade específica e distinta.
  • Os Programas são escritos/construídos/criádos pelos Programadores. Quem é o Programador dos teus Programas? Tu mesmo. Quem é que te ensinou a Programar? Os teus pais, professores, amigos e a sociedade em geral -- logo, os teus Programas são um reflexo/cópia do Sistema Mundial.
  • Os Programas podem ser copiados/transferidos.
  • Os Programas podem ser APAGADOS! (delete!)
  • Os Programas só funcionam/operam em certas condições.
  • Os Programas necessitam de uma báse/plataforma física na qual assentam e da qual dependem.
  • Os Programas necessitam de Energia para correr. 

Como é que tu crias os teus Programas?
A tua Mente Consciente é a plataforma que usas para pensar/criar os programas que por sua vez acabam por estar sempre a "correr" através da tua mente subconsciente. Isto quer dizer que Quem Tu És neste momento são todos os Programas que se encontram no teu Subconsciente que tu foste criando ao longo dos anos com a tua Mente Consciente.

Quando tu abres uma página da internet tu só vês aquilo que o programador decidiu mostrar. Por detrás  da "página bonita" existe um código (o programa) que opera segundo regras/funcionalidades específicas. Para mudares o aspecto da página tens de saber como mudar o programa/código que está por detrás.

O mesmo acontece connosco: O que tu pensas ser e aquilo que vês não pássa da "página bonita" que te é apresentada. Mas a realidade das coisas encontra-se por detrás, no código/programação contida na tua Mente Subconsciente (personalidade/carácter) e Mente Inconsciente (a tua relação com o sistema mundial).

Para mudares o teu Destino tens de saber como é que o código/programação funciona.
A programação/código é uma LINGUAGEM! A Linguagem tem uma Gramática, ou seja, regras de funcionamento.

Assim sendo, o que vamos fazes é Apagar/Delete os Programas que não nos são benéficos e vamos criar novos "Programas" que garantam que o nosso Funcionamento seja Ideal. Para isso vamos analisar a nossa LINGUAGEM e fazer os necessários ajustes de forma a que o nosso Código de Conduta seja UM e IGUAL com o da REALIDADE FÍSICA.

Lao Tsé:
“Quem conhece a sua ignorância revela a mais profunda sapiência. Quem ignora a sua ignorância vive na mais profunda ilusão.” 

7 de setembro de 2014

Metedologia da Criação: O Problema - Parte 2 - Dia 243

7 de setembro de 2014 0
desteni technotutor techno tutor
Permitam-me que comece com uma citação do Lao Tsé:

“As palavras verdadeiras não são agradáveis e as agradáveis não são verdadeiras.” 

Como foi antes dito, no contexto da Realidade com a Unidade e Igualdade sendo o Princípio Directivo, a Separação não passa de uma ilusão.

Separação é, em muitos aspectos, sinónimo de Polaridade -- e a Polaridade é, por sua vez, a plataforma base na qual a Mente "assenta" e a partir da qual se "desenvolve".

A Mente do Ser Humano, como ela existe actualemente, é o "objecto" mais destrutivo à face da Terra. É importante salientar que eu me estou a referir à Mente e não ao cérebro.
A Mente é um dos constituíntes Metafísicos do Ser Humano -- que por sua vez tem uma relação directa com a física e a química do cérebro Humano.

 A Mente, para ser mais específico, é constituída por:
- Pensamentos
- Memórias
- Movimentos energéticos - as Emoções, Sentimentos e Reacções
- Fantasias
- "Conversas de fundo" (monólogos internos com o próprio)

É através da utilização da Mente que tu defines as tuas várias Personalidades e Carácteres que por sua vez determinam Quem Tu És e, como tal, definem também o percurso e o destino da tua existência aqui na Terra.

Nas palavras de Lao Tsé:

"Cuidado com seus pensamentos: eles transformam-se em palavras.
Cuidado com suas palavras: elas transformam-se em acções.
Cuidado com suas acções: elas transformam-se em hábitos.
Cuidado com seus actos: eles moldam seu caráter.
Cuidado com seu caráter: ele controla seu destino."


Se queremos realmente entender em Quem Nos Tornámos e desta forma sermos capazes de mudar o nosso rumo e destino, então temos de realmente entender como as nossas Mentes funcionam/operam.

Como eu disse, a Mente Humana opera com base na Polaridade (separação) -- constantemente de um Positivo para um Negativo. Isto tem lugar através do movimento de uma Energia Metafísica. Esta Energia Metafísica é criáda a partir da Energia de Substâncias Físicas, como por exemplo a comida.

É importante entender a palavra "Metafísica": "Meta" quer dizer "para além" / "depois" -- logo, com o termo "Energia Metafísica" eu quero dizer "uma Energia que provém do Físico e que vai para além dele"

Daqui para a frente eu vou usar muito a palavra Energia, e será à Energia Metafísica que eu me refiro.

Um exemplo de Energia Metafísica é um Pensamento. Uma emoção/sentimento é também Energia Metafísica. Quando, por exemplo, apanhas um susto, existe um movimento de Energia Metafísica entre a tua barriga e o teu tórax. Quando sentes "borboletas na barriga" por te sentires apaixonado, isso é também Energia Metafísica. Quando estás nervoso antes de fazeres um teste ou antes de falares em público e sentes que tens de "ir à casa de banho", isso é medo e é também uma Energia Metafísica.

A Mente Humana como existe actualmente em todos os Seres Humanos encontra-se num constante "baloiçar" entre Energia (Metafísica) Positiva e Negativa - e é desta forma que ela acaba por tomar total controlo sobre a tua vida mesmo antes de fazeres 3 anos de idade.

O que eu estou a descrever aqui nesta Metedologia da Criação é a forma Prática de constituirmos/definirmos/estabelecermos  uma Mente cuja funcionalidade está baseada no Princípio da Existência de Unidade e Igualdade e não na Separação/Polaridade Energética. Desta forma teremos uma Mente que é UNA, SÃ e alinhada com a Realidade Existêncial.

Existe um verso na Bíblia que ilustra, de certa forma, o que quero dizer:

2 Timóteo 1:7
"Porque Deus não nos deu o espírito de covardia, mas de poder, de amor e de moderação."

Em inglês lê-se

"For God hath not given us the spirit of fear; but of power, and of love, and of a sound mind."

 A tradução directa do Inglês é:

"Porque Deus não nos deu o espírito do medo, mas de poder, e de amor, e de uma mente som"


Dizer "uma mente som" não faz sentido... Mas consideremos que a palavra "sound" em Inglês pode querer dizer "Completo"/"Uno"/"Real". Assim sendo a frase lê-se:

"Porque Deus não nos deu um espírito de medo, mas de poder, e de amor, e de uma mente completa."
Ou
"Porque Deus não nos deu um espírito de medo, mas de poder, e de amor, e de uma mente una."
Ou
"Porque Deus não nos deu um espírito de medo, mas de poder, e de amor, e de uma mente real"


Ora, " uma mente completa" / "uma mente una" / "uma mente real" é exactamente o contrário daquilo que cada Ser Humano Possuí, pois a nossa Mente está fundamentada na Polaridade/Separação.

Nesta Metedologia da Criação eu vou explicar como identificar os pontos que definem uma Mente problemática/desiquilibrada (fundada na Separação) e o que devemos fazer para criármos uma Mente Completa, Una e alinhada com a Realidade Existêncial. 

Aqui fica mais uma citação do Lao Tsé:

“Quem se une ao Uno não tem desejos, onde não há desejos há paz. E onde há a paz, tudo é harmonia e felicidade.” 



6 de setembro de 2014

Metodologia da Criação: O Princípio - Parte 1 - Dia 242

6 de setembro de 2014 0
desteni technotutor techno tutor
Toda a Criação tem uma Origem; tem um Ponto de Partida; tem um Princípio ---> isto é, um Princípio Directivo que determina a Direcção e o Destino/Resultado.

O Princípio fundamental que vamos utilizar é o Princípio de UNIDADE e IGUALDADE.
Este Princípio aplica-se a todas as várias dimensões que definem a nossa existência.

Por exemplo:

1. Tu és Um e Igual com todas as situações que te "afectam/influênciam" directa ou indiectamente.

Para muitos isto pode parecer um insulto - "porque é que esta tragédia me teve de acontecer?". Na verdade esta Realização é uma das mais Libertadoras --> isto porque te coloca numa posição de Responsabilidade, e se tu és o Responsãvel, então tens a Abilidade de Responder de forma a Mudares a situação dentro dos parâmetros desta realidade física.

A situação com a qual te deparas neste momento é a tua Criação, tu és Um e Igual com a mesma. Isto quer dizer que Quem Tu És e Quem Tu Tens Sido Determinou que as coisas tivessem ocorrido da forma que ocorreram. Assim revelo-te que para mudares a tua "situação"/vida, então tens de Mudar Quem Tu És, pois este é Sempre o teu Ponto de Partida -- e ao fazeres os ajustes/mudanças necessários nas tuas atitudes, nos teus hábitos, nos teus padrões de acção, na tua presença, na tua ciendade, etc -- então o rumo/direcção que a tua Vida irá também Mudar.

Independentemente de teres estado ciente ou não de Quem Tu És e o que tens feito/fizeste (que resultou na actual condição/situação)-- Tu és o Responsável, és Um e Igual com a situação.
O que eu vou explicar nesta Metedologia da Criação é a forma mais eficaz de expandires a tua Ciendade (isto é, a capacidade/estado de Ser Ciente) de forma a que tenhas um entendimento claro que daquilo que te tornaste e como podes, através de acções práticas, Mudar de forma a te tornares em alguém que é o Absoluto dono do Seu Destino/Criação.

Agora que vês e te aceitas como o Responsável, agora SIM!, começas a ter o Poder para mudares "as coisas" --> Desta vez de uma forma Ciente e Deliberada para produzir um resultado que é melhor para ti e ara os que te rodeiam (Mundo!)

Vejamos outra dimensão do Princípio de Unidade e Igualdade:

2. Tu és Um e Igual com a Existência.

Daqui provêm a realização de que: Tu és Um e Igual Comigo.

Isto quer dizer que não existe Separação exepto aquela que conjuras na tua mente.
Separação é uma outra palavra para "Limitação": Tu estás limitado de agir/influênciar/afectar aquilo à qual estás Separado.

Se Toda a Existência e todas as Partes que a constituem são Um e Igual, então, por definição, não existe nada que seja superior/mais ou inferior/menos no contexto do Valor Intrinseco Existêncial. Sendo assim surge o mandamento: "Não darás falso testemunho" / "Não julgarás" (em Inglês, "Thou shall not judge")

Criar um átomo ou criar uma estrela requer exactamente a Mesma (Um e Igual) Abilidade. A única diferença é a ordem de grandeza.
Um oceano não tem nem mais nem menos valor que uma gota de água -- pois como pode uma Parte ser menos do que o Todo se esse Todo é constituído por Partes?

Tu és este Universo. Este Universo és Tu: Um e Igual.

Jesus disse: "Eu e o Pai somos Um" -- esqueceu-se de acrescentar o "Igual"
Ele podia muito bem ter dito: "Eu e o Universo/Existência/Vida somos Um e Igual".


Continuarei no próximo blog...
 
◄ Free Blogger Templates by The Blog Templates | Design by Pocket